Plano de imigração de Trump promove deportação e fim de cidadania americana para filhos de imigrantes

Wilson Smith

T

O ex-presidente Donald Trump está planejando uma expansão extrema de sua repressão à imigração do primeiro mandato, caso retorne ao poder em 2025, incluindo a preparação para capturar em grande escala pessoas indocumentadas já nos Estados Unidos e detê-las enquanto aguardam a expulsão.

Os planos, descritos em entrevistas com assessores de Trump ao The New York Times, restringiriam drasticamente tanto a imigração legal quanto a ilegal de várias maneiras. Trump quer rever suas políticas de fronteira do primeiro mandato, incluindo a proibição de entrada de pessoas de algumas nacionalidades, a maioria muçulmana e também prevê a reimposição de uma política da era Covid-19 de recusar pedidos de asilo, embora desta vez ele basearia essa recusa em alegações de que os imigrantes carregam outras doenças infecciosas como tuberculose.

Ele planeja revistar o país em busca de imigrantes não autorizados e deportar pessoas, visando acelerar as deportações em massa, Trump está preparando uma enorme expansão de uma forma de remoção que não exige audiências de devido processo. Para ajudar a Imigração e Alfândega (ICE) a realizar incursões em grande escala, ele planeja redistribuir outros agentes federais e delegar policiais locais e soldados da Guarda Nacional voluntariamente cedidos por estados governados por republicanos.

Para aliviar a pressão nas instalações de detenção do ICE, Trump quer construir grandes campos para deter pessoas enquanto seus casos são processados e elas aguardam voos de deportação. E para contornar qualquer recusa do Congresso em apropriar os fundos necessários, Trump redirecionaria dinheiro do orçamento militar, como fez em seu primeiro mandato para gastar mais em um muro na fronteira do que o Congresso havia autorizado.

“Trump vai liberar o vasto arsenal de poderes federais para implementar a repressão à imigração mais espetacular”, disse à mídia Stephen Miller, ex-assessor da Casa Branca de Trump que foi o principal arquiteto de seus esforços de controle de fronteira.

Em uma referência pública a seus planos, Trump disse a uma multidão em setembro: “Seguindo o modelo de Eisenhower, realizaremos a maior operação de deportação doméstica na história americana”. A referência era a uma campanha de 1954 para capturar e expulsar imigrantes mexicanos que foi nomeada com um termo pejorativo “Operação Wetback”.

A constelação dos planos de Trump para 2025 equivale a um ataque à imigração em uma escala inédita na história americana moderna. Milhões de imigrantes indocumentados seriam barrados do país ou desarraigados dele anos ou até décadas depois de se estabelecerem aqui.

Tal escala de remoções planejadas levantaria desafios logísticos, financeiros e diplomáticos e seria vigorosamente contestada nos tribunais. Mas não há como negar a amplitude e a ambição da mudança que Trump está buscando.

Em um segundo mandato de Trump, os vistos de estudantes estrangeiros que participaram de protestos anti-Israel ou pró-Palestina seriam cancelados. Oficiais consulares dos EUA no exterior seriam orientados a expandir a triagem ideológica de candidatos a visto para bloquear pessoas que a administração Trump considere ter atitudes indesejáveis. Pessoas que receberam status de proteção temporária porque são de certos países considerados inseguros, permitindo-lhes viver e trabalhar legalmente nos Estados Unidos, teriam esse status revogado.

Da mesma forma, numerosas pessoas que foram autorizadas a viver no país temporariamente por razões humanitárias também perderiam esse status e seriam expulsas, incluindo dezenas de milhares de afegãos que foram evacuados em meio à tomada do poder pelo Talibã em 2021 e autorizados a entrar nos Estados Unidos. Afegãos com vistos especiais concedidos a pessoas que ajudaram as forças americanas seriam revistos para verificar se realmente ajudaram.

E Trump tentaria acabar com a cidadania por direito de nascimento para bebês nascidos nos Estados Unidos de pais indocumentados proclamando essa política como a nova posição do governo e ordenando às agências que deixem de emitir documentos que afirmam a cidadania, como cartões da Previdência Social e passaportes para eles. A legitimidade legal dessa política, como quase todos os planos de Trump, seria levada ao Supremo Tribunal.

Termos

Compartilhe

ADVERTISE

Nossa Revista

V12 - 2019 | Nº 78
V12 - 2019 | Nº 78

REDES SOCIAIS

Últimas Notícias