Chipotle concorda em pagar $2 milhões por violações de leis trabalhistas

Marcony Almeida

ago (18)

A Chipotle Mexican Grill Inc. concordou em pagar US$ 1,37 milhão em restituição e multas por um número estimado de 13.253 violações de trabalho infantil e outras violações da lei trabalhista,  em mais de 50 lojas em Massachusetts, anunciou hoje a procuradora-geral Maura Healey.

Como parte do acordo, a Chipotle também concordou voluntariamente em pagar US$ 500 mil para um fundo a ser administrado pela Procuradoria para beneficiar os jovens por meio de programas educacionais sobre trabalho infantil e leis trabalhistas, além de treinamento e desenvolvimento da força de trabalho para jovens trabalhadores.

A Procuradoria emitiu quatro citações contra Chipotle por violar o trabalho infantil e obter licença médica, por não fazer o pagamento oportuno dos salários e registrar violações.

“A Chipotle é uma importante cadeia de restaurantes nacional que emprega milhares de jovens em todo o país e tem o dever de garantir que menores de idade trabalhem com segurança em seus restaurantes”, disse a Procuradora-Geral Healey. “Esperamos que isso envie uma mensagem a outras cadeias de fast food e restaurantes de que não podem violar nossas leis de trabalho infantil e colocar os jovens em risco”.

A Procuradoria começou a investigar a Chipotle depois de receber uma reclamação da mãe de um funcionário menor de idade em 2016, alegando que o menor havia trabalhado bem depois da meia-noite em um local da Chipotle em Beverly. Uma análise dos registros da Chipotle revelou que menores trabalham rotineiramente na empresa. As auditorias realizadas em vários locais da empresa no estado, entre 2015 e 2019, identificaram violações de trabalho infantil, como menores que trabalham sem permissão de trabalho válida, tarde demais da noite, e muitas horas por dia e por semana.

A investigação constatou que Chipotle empregava regularmente menores sem permissão de trabalho, permitia que dezenas de funcionários de 16 e 17 anos trabalhassem depois do permitido pela lei, e permitia que os menores trabalhassem além do limite diário de 9 horas, e do limite semanal de 48 horas. A investigação também revelou que a Chipotle não notificou adequadamente os funcionários de seus direitos sob a lei de licença médica, falhou em fornecer ao estado registros completos de cronometragem mediante solicitação e, em alguns locais, deixou de pagar aos trabalhadores dentro de seis dias após o final de um período de pagamento.

Termos

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

oito + 10 =