Agentes de patrulha de fronteira terão presença em Boston

Marcony Almeida

Border

Autoridades e advogados locais estão condenando a decisão do governo Trump de enviar agentes federais de patrulha de fronteira para Boston e outras cidades chamadas “santuários”, nas próximas semanas, para apoiar agentes de Imigração, chamando a mudança de tática de intimidação que poderia prejudicar a segurança pública.

O Departamento de Segurança Interna confirmou, sexta-feira (14), que os agentes de fronteira serão enviados inicialmente à cidade de fevereiro a maio. Essa confirmação seguiu relato do jornal The New York Times que informou que as cidades sob o plano do governo incluem Nova York, Chicago, Boston, São Francisco, Los Angeles, Atlanta, Houston, Nova Orleans, Detroit e Newark.

Entre os agentes que estão sendo destacados estão membros de uma unidade tática de elite que atua essencialmente como a equipe da SWAT da patrulha de fronteira, informou o Times. Embora oficiais da Alfândega e Proteção de Fronteiras estejam presentes no Aeroporto Logan e no Seaport District, Boston não abriga nenhum agente de patrulha de fronteira. As estações mais próximas a esses agentes são no norte da Nova Inglaterra, ao longo da fronteira com o Canadá, de acordo com o Departamento de Segurança Interna.

O diretor interino de imigração e fiscalização aduaneira, Matthew T. Albence, disse à imprensa que sua agência estará usando os novos agentes “para complementar as atividades de fiscalização em resposta aos desafios de recursos decorrentes das políticas da cidade-santuário”.

Não existe uma definição oficial de cidade-santuário, mas, em geral, esses municípios não permitem que seus departamentos de polícia ajudem o ICE a deportar imigrantes.

Em sua declaração, Albence não detalhou como os agentes da patrulha de fronteira seriam usados ​​em Boston, e o ICE disse que “não discute operações planejadas ou alocação de recursos específicos”. “Como observamos há anos, em jurisdições onde não é permitido assumir a custódia de estrangeiros por prisões, nossos policiais são obrigados a fazer prisões gerais de estrangeiros criminosos que foram libertados nas comunidades”, disse Albence. Ele continuous, “esse esforço requer uma quantidade significativa de tempo e recursos adicionais. Quando as cidades santuário liberam esses criminosos de volta às ruas, aumenta a ocorrência de crimes evitáveis ​​e, mais importante, vítimas evitáveis”.

O Presidente Trump, muitas vezes, criticou as cidades-santuário e tornou o combate à imigração ilegal uma prioridade, incluindo por meio de políticas controversas, como separações familiares na fronteira com o México, um esforço para construir um muro ao longo dessa fronteira, e restrições a estrangeiros de vários países. procurando entrar nos Estados Unidos.

Um porta-voz da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA disse ao Times que a agência estava deslocando 100 oficiais para trabalhar com a Imigração e a Alfândega, que realiza prisões no interior do país, “a fim de melhorar a integridade do sistema de imigração, proteger o público, a segurança, e fortalecer nossa segurança nacional”.

Não ficou claro imediatamente quantos agentes da patrulha de fronteira seriam enviados para Boston. A organização Lawyers for Civil Rights, com sede em Boston, denunciou a medida, chamando-a de “escalada que promoveria problemas de segurança pública”. “Não se engane, tudo isso é projetado para intimidar cidades amigas de imigrantes”, disse um porta-voz da organização. “Essas táticas provocam medo e incerteza. Os imigrantes são empurrados para as sombras e as vítimas e testemunhas de crimes relutam em contribuir com investigações. Isso nos torna todos inseguros”.

Termos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

13 + 4 =