Ex-comissário de bordo brasileiro preso por uso de identidade de criança morta

Marcony Almeida

UNITED

Um brasileiro usou o nome de uma criança de 4 anos que morreu em um acidente de carro no estado de Washington, em 1979, para conseguir um passaporte dos Estados Unidos e um emprego como comissário de bordo da United Airlines, de acordo com uma denúncia criminal.

Ricardo Cesar Guedes, nascido em São Paulo, começou a usar a identidade da criança em 1998, quando solicitou um passaporte americano, de acordo com uma denúncia apresentada no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul do Texas. O pedido que ele enviou usava um número do Seguro Social emitido em nome da criança em 1996, quase duas décadas após sua morte, afirma a denúncia.

Guedes, que mora em Houston, foi preso em setembro após ter sido observado “usando a identidade da vítima” para entrar em uma área segura do Aeroporto Intercontinental George Bush, em Houston, diz a denúncia. Ele foi acusado de fraude na aplicação e uso de passaporte, roubo de identidade agravado, falsificação de identidade de cidadão americano, e entrada fraudulenta em espaço seguro de aeroporto.

Rosa Victoria Gilcrease-Garcia, advogada que representa Guedes, não quis comentar o caso com o jornal The New York Times.

Por mais de duas décadas, Guedes utilizou a identidade de William Ericson Ladd, nascido em Atlanta em 14 de setembro de 1974, segundo a denúncia. Agentes especiais do Serviço de Segurança Diplomática, o braço de segurança do Departamento de Estado, entrevistaram a mãe de William, Debra Lynn Hays, em julho de 2021, de acordo com a denúncia. Ela confirmou a data de nascimento do filho e que ele morreu em um acidente de carro em 8 de agosto de 1979, em uma rodovia estadual perto de Colville, Washington.

Os investigadores compararam um conjunto de impressões digitais que foram coletadas por funcionários brasileiros na década de 1990, e que foram incluídas nos documentos de identidade nacional de Guedes, a um conjunto de impressões digitais que ele apresentou para passar em uma verificação de antecedentes de seu trabalho na United Companhias aéreas, usando a identidade de William, de acordo com a denúncia.

Guedes listou seu empregador como United Airlines quando renovou seu passaporte em 2013 e 2020, de acordo com a denúncia. A companhia aérea disse em um comunicado por e-mail à imprensa que ele não era mais funcionário.

Termos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *