Imigração obrigará estudantes internacionais a deixarem o país se estudarem apenas online

Marcony Almeida

AGO (4)

Com a expectativa de que grande parte das 4.298 faculdades e universidades do país iniciem suas aulas on-line no outono, a O Departamento de Imigração e Alfândega (ICE, em inglês) anunciou, ontem, que estrangeiros com vistos de estudantes nos Estados Unidos precisam sair do país, a menos que participem das aulas presenciais.

“O Departamento de Estado dos EUA não emitirá vistos para estudantes matriculados em escolas e/ou programas totalmente on-line para o semestre do outono, nem os agentes da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos permitirão que esses estudantes entrem nos Estados Unidos”, informa as diretrizes emitidas pelo governo federal, restringindo severamente acesso para estudantes com vistos F-1 e M-1, geralmente concedidos a estudantes acadêmicos e profissionais. Embora os estudantes internacionais que estão atualmente no exterior possam permanecer matriculados em cursos on-line, os estudantes que já estão nos Estados Unidos devem “sair do país ou tomar outras medidas, como transferir para uma escola com instruções pessoais para permanecer em status legal”. Em um idioma mais direto: os portadores de visto devem enfrentar o risco de coronavírus por meio de aulas presenciais ou risco de deportação.

A Universidade de Harvard revelou o quão abrangentes os novos regulamentos do ICE podem ser no próximo semestre: embora 40% dos estudantes atualmente matriculados estejam no campus no outono, a universidade exigirá que todos os alunos realizem todas as suas cargas on-line. Se Harvard, com seu prestígio e orçamento de mais de US$ 40 bilhões, é incapaz de ministrar cursos pessoalmente, é muito improvável que outras escolas sem esses ativos possam fazê-lo – para não falar do absurdo apresentado pelo ICE que os estudantes têm a capacidade de iniciar e concluir o processo de transferência em menos de 60 dias, pois os consulados dos EUA pararam amplamente o processamento de vistos de rotina.

As universidades também podem ser forçadas a a oferecer aulas presenciais de última hora para não perder as mensalidades em um ano que já foi um desastre financeiro. “Isso é terrível”, twittou o escritor e professor associado da NYU, Hari Kunzru. “Isso colocará uma enorme pressão financeira nas universidades para que ensinem pessoalmente, e os funcionários serão solicitados a se colocarem em risco”.

Em relação à resposta à pandemia, é difícil analisar como uma mudança nos programas de vistos que exigem viagens de última hora por milhares de jovens é uma decisão política responsável. No contexto da agência sob o governo Trump – em que o ICE separou milhares de famílias imigrantes; mantinha crianças em condições de congelamento e acampamentos; e deteve um adolescente americano por mais de um mês – a inspiração subjacente ao pedido fica mais clara.

Se a ação aparentemente punitiva é concebida como uma medida de prevenção contra uma pandemia, torna-se ainda menos consistente, considerando o risco de coronavírus da agência: o processo do ICE de transferir detidos nos últimos quatro meses resultou em surtos em instalações no Texas, Ohio, Flórida, Mississippi, e Louisiana. Desde o início da pandemia, os imigrantes testaram positivo para o coronavírus em mais de um em cada quatro centros de detenção do ICE.

Termos

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

vinte + treze =