Hospitais: faltam funcionários e situação é grave

Marcony Almeida

lawrence-general-1

Os líderes de hospitais em Massachusetts soaram um alarme, ontem, sobre os desafios da força de trabalho enquanto eles continuam enfretando os efeitos da pandemia COVID-19.

“Eu entendo que as pessoas querem totalmente voltar a alguma aparência do normal, mas nossos hospitais não têm essa opção”, disse Steve Walsh, presidente e CEO da Massachusetts Health & Hospital Association, durante uma reunião do Conselho Consultivo da Comissão de Políticas de Saúde de Massachusetts. Durante a reunião, líderes de hospitais disseram que estão enfrentando escassez de mão-de-obra e limitações de capacidade ao tratar uma população de pacientes que inclui tanto aqueles que contraíram COVID-19, quanto aqueles que ficaram mais doentes porque atrasaram o tratamento para outras condições durante a pandemia .

“É uma situação muito, muito séria e qualquer coisa que você possa fazer do ponto de vista político para ter acesso às necessidades da força de trabalho – não são apenas enfermeiras, são transportadores, são as vagas generalizadas que estão em falta, tornando isso muito desafiador”,  disse Deborah Wilson, president do Hospital Geral de Lawrence.

Embora os hospitais estejam impondo obrigatoriedade de vacina COVID-19 para seus funcionários como uma medida de saúde pública, essas decisões têm o potencial de adicionar outra camada aos desafios, se alguns funcionários deixarem seus empregos em vez de cumprir as regras. “Mesmo se fizermos um grande progresso, vamos perder parte de nossa força de trabalho num momento em que há necessidade de todos os trabalhadores”, disse ela.

Os hospitais ainda estão sentindo muito o impacto contínuo da pandemia. “É muito ruim, e uma das razões pelas quais não podemos diminuir a carga de trabalho é porque está ruim em todo o país, acrescentou. “Estamos vendo desafios de capacidade maiores do que no auge do COVID”.

Na semana passada, havia 643 pacientes internados em departamentos de emergência. E muitos desses pacientes aguardam a abertura de uma cama de internação. Schuster, do Emerson Hospital, disse que a escassez de leitos é particularmente grave nos níveis pediátrico e adolescente.

“A partir de hoje, tenho três adolescentes no meu pronto-socorro que estão lá há mais de quatro dias, que, como você sabe, não é o melhor lugar quando você tem problemas de saúde mental para ficar em um ambiente agudo de curta permanência”, disse.

Termos

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *