Brazilian Magazine

Meu botão nuclear é muito maior e mais poderoso, diz Trump a Kim

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rebateu as afirmações do líder norte-coreano Kim Jong-un sobre ter um botão nuclear em sua mesa. A diferença apontada pelo republicano diz respeito ao tamanho e poder entre o botão de Washington e o de Pyongyang.

Trump usou a sua conta no Twitter para mandar uma mensagem para Kim.

“O líder norte-coreano Kim Jong Un apenas afirmou que o “Botão Nuclear está em sua mesa em todos os momentos”. Alguém de seu regime abatido e faminto por comida, por favor, [deve] informá-lo de que eu também tenho um botão nuclear, mas é muito maior e mais poderoso do que o dele, e meu botão funciona!”, escreveu.

A fala de Trump vem pouco mais de 48 horas após Kim abordar o poder nuclear norte-coreano como uma realidade, e não uma ameaça, clamando para que os EUA reconheçam o status de potência nuclear de Pyongyang – o que Washington já declarou que não o fará.

“O botão nuclear está sempre na minha mesa. Isto não é chantagem mas a realidade”, afirmou o líder da Coreia do Norte, em seu discurso de Ano Novo para a população do país.

A troca de farpas entre Trump e Kim foi uma tônica ao longo de 2017, e o tom não parece que será alterado em 2018.

Especula-se que a Coreia do Norte deverá levar a cabo um novo teste balístico em breve, ao passado que os EUA se recusam a adiar os exercícios militares anuais que realiza com a Coreia do Sul, e que neste ano estão marcados para o mesmo período dos Jogos Olímpicos de Inverno, que o sul da península recebe em fevereiro.

 

Por Flávio Perez
flavio@brazilianmagazine.net
Direto da Redação / Por AP

EUA negam possibilidade de negociação com a Coreia do Norte

Não há condições de negociar com a Coreia do Norte enquanto Pyongyang não “melhorar fundamentalmente o seu comportamento”, afirmou a Casa Branca.

“Dado o teste de mísseis mais recente da Coreia do Norte, claramente agora não é o tempo [para negociações]”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca à Reuters.

Nesta semana, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, afirmou que pode sentar na mesa de negociações com a Coreia do Norte “a qualquer momento que eles quiserem e estamos prontos para ter o primeiro encontro sem pré-condições”.

Não é a primeira vez declarações de Tillerson são negadas pela própria Casa Branca ou até mesmo pelo presidente Donald Trump. Em setembro, o secretário de Estado afirmou estar buscando o diálogo com Pyongyang, mas Trump afirmou que ele estava perdendo tempo. “Salve sua energia Rex. Faremos o que tem que ser feito!”, disse Trump.

 

Por Flávio Perez
flavio@brazilianmagazine.net
Direto da Redação / Por Reuters

 

 

Coreia do Norte afirma ter míssil capaz de atingir ‘todo o continente dos EUA’

A Coreia do Norte afirmou nesta quarta-feira (29) que testou um novo tipo de míssil balístico intercontinental (ICBM na sigla em inglês): o Hwasong 15.

Por meio de pronunciamento na televisão estatal, os norte-coreanos afirmaram que o teste do míssil balístico disparado na terça-feira (28) foi um sucesso e que ele pode atingir “todo o continente dos Estados Unidos”.
De acordo com Pyongyang, o Hwasong é “significativamente” mais poderoso que os mísseis testados anteriormente e marca um feito “histórico”. Ainda de acordo com os norte-coreanos, o projétil percorreu uma distância de 950 quilômetros em 53 minutos e atingiu uma altitude de 4.475 quilômetros.

O pronunciamento também acusa os Estados Unidos de “chantagem nuclear” e afirma que as armas da Coreia do Norte serão utilizadas para proteger sua soberania e integridade territorial.

“Como uma potência nuclear responsável e um Estado que ama a paz, a Coréia do Norte fará todos os esforços possíveis para servir o nobre propósito de defender a paz e a estabilidade do mundo”, são as palavras finais do pronunciamento.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, afirmou que o mais recente míssil da Coreia do Norte atingiu a maior altitude já registrada em todos os disparos de Kim Jong-un.

 

Por Flávio Perez
flavio@brazilianmagazine.net
Direto da Redação / Por AP