Relacionamento: fantasia ou realidade

A experiência de desapontamento em uma relação amorosa é mais comum do que o encontro da felicidade. Geralmente A ama B, mas B se apaixona por C, que não está se interessando por ninguém naquele momento. E assim, segue o jogo sem final feliz e com problemas, diferentes das estorias infantis. A idealização de encontrar o par perfeito no outro é uma fantasia, completamente diferente da realidade.

 

É impossível esperar que alguém possa preencher suas fantasias, porque ninguém é capaz de imaginar exatamente seus sonhos e desejos, por mais explicitamente que você os explique verbalmente ou através do seu comportamento. A idealização da parceiro(a) ideal está apenas na sua cabeça. Acrescento também que sonhos e desejos geralmente mudam com o amadurecimento.

Como parte da sedução, o humano começa a fazer uma espécie de jogo ou de teatro para conquistar o outro, que não pode durar para sempre, porque a vida nao é um palco, não tem “replay” ou oportunidade para ensaios.  Muitas vezes quando a realidade nos atinge, já estamos comprometidos com muitas coisas tais como família, finanças, negócios, amigos, conecções sociais e muitas vezes até filhos. É uma situação difícil de resolver. Admitir o fracasso da fantasia é também um problema, mesmo porque ninguém quer se sentir um “perdedor.”

Muitas vezes encontrar um outro alguém é uma solução para escapar da relação de parceria que já se esgotou com menos sofrimento, mas no entanto com mais problemas. Cruz-credo! Cuidado para não repetir os mesmos erros!

Costumo dizer que um relacionamento amoroso nao é café ou chocolate, que a gente mistura com leite ou com creme, coloca adoçante ou canela para os que gostam, mexe e a bebida fica completa, perfeita, e deliciosa. Um relacionamento requer investimento emocional diário e mínimos cuidados com o outro. Acredito na gratidão, reconhecimento e pedidos de desculpas, tudo isso feito com sinceridade e nas pequenas coisas. Também na atenção e conquista, inclusive não esquecendo a sedução, para que a sexualidade permaneça viva. Seja amante do seu (sua) parceiro(a.) Sei que é muito difícil seguir esse padrão, principalmente depois de um dia exaustivo de trabalho, mas acredito que vale tentar.

Não acho que seja a maioria, mas há sim, uma minoria de encontros duradouros, onde algumas pessoas podem achar o/a parceiro (a) ideal naturalmente. Na minha observação, essas pessoas que se encontram como parceiros ideais já se conheciam há muito tempo.  São antigos amigos ou colegas, com objetivos, hábitos, educação e carreiras que se complementam. Nesses casos, o desapontamento pode não acontecer, porque não existe a fantasia de que o “outro” é a parte que lhe falta.

Em suma, quanto maior a expectativa que colocamos no “outro, maior é a chance da relação romântica dar errado. O parceiro(a) é um humano cheio de falhas e dificuldades. Ele ou ela mal pode dar conta de sobreviver sozinho. Ninguém pode lhe dar o que não tem. O parceiro(a) não éo ideal que sua cabeça imaginou. A relação amorosa precisa de um ajustamento diário que requer paciência, tempo e tolerância. Boa sorte para os que seguem com fé tentando!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved