Redes sociais e o exibicionismo

Acredito que redes sociais com exceção do sistema de mensagens para comunicação, significa muita exposição da nossa vida privada e uma janela aberta para predadores, portanto, muito perigosa. Penso que ao postar fatos e fotos do cotidiano ou até mesmo de eventos esporádicos da vida, pode ser um ato narcísico, de orgulho, que classifico como um sentimento de grande satisfação conosco mesmos onde demonstramos nossa arrogância e soberba.

Acho que a arrogância e a soberba são sentimentos de suposta e falsa superioridade social, moral, intelectual ou comportamental, que denota uma atitude prepotente e de desprezo com relação aos outros.  No meu entendimento, orgulho, soberba, arrogância e prepotência passam a mensagem: desejo que essas minhas oportunidades, qualidades, festas, viagens, laços de família postados em redes sociais, sejam reconhecidos, admirados e invejados pelos outros, principalmente pelos que considero “inimigos”.

Só que toda essa exibição, não mostra verdadeiramente quem somos. Não acredito que sejamos tão felizes e isentos de problemas, como queremos demostrar nas redes sociais. Na intimidade, sozinhos ou acompanhados, as nossas vulnerabilidades aparecem. As mentiras que contamos e a vida  de “faz de conta” que mostramos para os outros, não se sustentam no silêncio dos nossos aposentos. Precisamos sinceramente e verdadeiramente saber quem somos, nos confrontando e nos conectando com nosso inconsciente.  Faço uma ressalva aqui aos que utilizam as redes sociais para divulgação de um trabalho, como mídia de divulgação para expor e vender algo ou oferecer algum serviço. Em geral, acredito que todo orgulho será castigado.

O orgulho, sinônimo da soberba, do ponto de vista teológico, é um dos sete pecados capitais, que foram formalizados pelo cristianismo no século 6, quando o papa Gregorio Magno definiu-o como vício de conduta. Já visitamos anteriormente em outro Ensaio, a história de Lucifer, o anjo da manhã, que se tornou orgulhoso, soberbo e arrogante, achando que poderia ser como Deus, roubando-lhe a Glória. Lucifer achou que tinha todo o poder mas seu fim foi a humilhação e destruição total (Isaias 14:13e 1 Timóteo 3:6.)  Portanto, acredito que nosso orgulho corre o perigo de cair no mesmo pecado das trevas: declínio e queda, porque tudo que temos aqui no Planeta Terra não é nosso, todos nascemos nus e nos foi dado por Deus, nosso Criador, por empréstimo.

Cabe pensar seriamente por que tenho tanto, enquanto o meu irmão nada tem. A resposta tenho tudo porque mereço, porque sou bonzinho, porque não faço e não desejo mal a ninguém, não é verdadeira. Tenho tudo para ter a experiência de aprender o que fazer com esse TUDO.

O meu irmãozinho lá longe e em outros países devastados pelas guerras ou por desastres ecológicos, com fome e sem nenhuma assistência social, também pode ser bonzinho, não fazer ou desejar mal a ninguém e não tem nada. Não precisamos ir tão longe, basta observarmos a cidade onde vivemos em um dia de chuva torrencial. Por que estou aquecido e protegido dentro da minha moradia ou do meu veículo privado enquanto tantos outros esperam cansados em um ponto de ônibus pelo transporte coletivo ao relento, após um dia exaustivo de trabalho. Aqui vai a minha prece: Deus, somos todos seus filhos e não entendo nada sobre essa desigualdade, além da reflexão o que você quer de mim e onde preciso aprender e melhorar como humano. Vou ao menos agradecer!

É preciso estarmos atentos sobre quem somos e o que na realidade desejamos. Queremos uma vida de aparência no “faz de conta”, ou queremos alcançar uma plenitude e paz dentro de nós mesmos? Sim, porque para os que acreditam na espiritualidade, coisas materiais não tem nenhum valor. Quando fizermos a passagem, elas ficarão literalmente aqui. Tornam-se discurso vazio. Digo isso com a maior certeza depois do meu encontro com meu inconsciente. Só o que realmente importa é o essencial invisível para os olhos físicos. Todo orgulho e soberba acabam sem nenhum sentido. Por favor, preserve e pense mais na sua integridade espiritual!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved