Metrô linha vermelha sem previsão para voltar ao normal

Marcony Almeida

(121115  Boston, MA)      Red Line trains pass thru the area of Columbia road between the JFK station and Andrew Station.      Friday,  December 11, 2015.  (Staff photo by Stuart Cahill).

Nos 10 primeiros dias desde que um trem da linha vermelha com 60 passageiros a bordo descarrilou em Dorchester, os funcionários da MBTA hesitaram em oferecer uma estimativa exata de quando o serviço completo seria restaurado, citando as complexidades da infraestrutura de sinalização.

Agora, está claro que o cronograma é de meses, não dias ou semanas, o que significa mais dores de cabeça em uma rota que vai de Braintree a Quincy, Dorchester, Boston, Somerville e Cambridge, com uma média de 240 mil viagens durante a semana.

No primeiro dia do verão, o gerente geral da MBTA, Steve Poftak, anunciou que os atrasos de 10 a 20 minutos na linha vermelha persistirão “pelo menos até o Labor Day”, em setembro. Isso significa um serviço mais lento para as pessoas que tentam ir para o trabalho ou para casa durante o verão, que contará com aumentos de tarifas a partir de 1º de julho.

“Nós entendemos o quão perturbador isso tem sido para passageiros”, disse Poftak em uma entrevista coletiva. “Nossa prioridade é melhorar o serviço, fazendo isso o mais rápido possível, mas fazendo isso da maneira mais segura possível”.

Algum progresso foi feito desde o descarrilamento de 11 de junho fora da estação JFK / UMass – os passageiros não precisam mais trocar trens para acessar a linha Braintree, por exemplo – mas como os bangalôs que abrigam o sistema de sinais sofreram danos consideráveis, as equipes da MBTA devem direcionar manualmente tráfego, e vai correr menos carros.

“Esses bangalôs são sistemas que essencialmente controlam a velocidade do trem, o espaçamento de trens, e até mesmo o lançamento de interruptores entre as filiais da Ashmont e da Braintree que nos permitem operar a linha vermelha todos os dias”, explicou o vice-gerente geral Jeff Gonneville.

Uma hora do “rush” padrão verá de 13 a 14 trens operando na linha vermelha a cada hora, mas no verão, o sistema só poderá acomodar 10. Assim, atrasos e multidões provavelmente virão com isso.

O principal desafio, segundo Poftak, é que os equipamentos danificados em alguns casos datam dos anos 70. Ele e Gonneville conversaram com repórteres em frente a uma mesa com exemplos da tecnologia afetada, apontando os danos e as peças especiais necessárias para a restauração.

As equipes estão usando todas as peças que podem por enquanto e estão em processo de encontrar materiais de reparo adicionais, mas isso não é uma tarefa fácil quando as peças têm várias décadas de uso.

Termos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

4 × 3 =

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved