Governo Trump publica proposta que dificulta imigrantes conseguirem visto e Green Card

Marcony Almeida

DHS

A administração Trump tornará muito mais difícil para os imigrantes vir para os Estados Unidos ou permanecer no país se usarem ou provavelmente usarem vales-moradia, subsídios alimentares e outras formas de assistência pública “não-monetárias”, sob um novo regulamento anunciado, sábado (22), pelo Departamento de Segurança Interna (DHS, sigla em ingles).

As leis de imigração dos EUA contêm disposições que limitam os estrangeiros que provavelmente dependem da ajuda financeira pública, conhecida em inglês como “public charge”. Mas as mudanças propostas equivalem a uma ampla expansão da capacidade do governo de negar vistos ou residências a imigrantes, se eles ou membros da familia beneficiam de subsídios, como os programas Medicaid, o Programa de Assistência Nutricional Suplementar (SNAP), ou os cupões de residência pública da Secção 8, conhecidos como Section 8.

“Sob uma lei federal de longa data, aqueles que buscam imigrar para os Estados Unidos devem mostrar que podem se sustentar financeiramente”, disse à imprensa Kirstjen Nielsen, secretária DHS, acrescentando que as mudanças propostas “promoveriam a auto-suficiência dos imigrantes e protegeriam os recursos famericanos”, assegurando que eles não são susceptíveis de se tornarem encargos sobre os contribuintes americanos.

A proposta será publicada no Registro Federal nas próximas semanas, de acordo com o DHS, desencadeando um período de comentários públicos de 60 dias. “Depois que o DHS considerar cuidadosamente os comentários públicos recebidos sobre a regra proposta, o órgão planeja emitir uma regra final de cobrança pública que incluirá uma data efetiva”, acrescentou a secretária. Autoridades do DHS dizem que estão antecipando processos judiciais contra a mudança.

Embora a proposta não inclua créditos fiscais e outros benefícios de saúde que estavam sendo considerados em projetos anteriores, os defensores dos imigrantes levantaram preocupações de que a mudança na regra forçará as famílias a renunciarem à ajuda do governo para evitar colocar em risco seu status imigratório.

“Isso forçará as famílias – incluindo as crianças cidadãs – a escolher entre obter a ajuda de que precisam e permanecer em suas comunidades”, disse à imprensa Diane Yentel, presidente da Coalizão Nacional de Moradia de Baixa Renda. “A última coisa que o governo federal deve fazer é punir as famílias que enfrentam dificuldades para alimentar seus filhos ou manter um teto sobre suas cabeças e evitar a falta de moradia”.

O governo diz que as mudanças contidas em sua proposta de 447 páginas se aplicam principalmente àqueles que buscam admissão nos Estados Unidos ou estrangeiros que tentam se candidatar para alguma forma de status de residência. Certas categorias de imigrantes, incluindo refugiados, asilados, afegãos e iraquianos com vistos especiais para imigrantes estariam isentos das mudanças, de acordo com o texto. Os residentes permanentes legais (titulares de Green Card) que solicitarem a naturalização como cidadãos dos EUA não estarão sujeitos às alterações propostas.

O órgão estima que cerca de 382 mil imigrantes, por ano, estariam sujeitos a uma revisão mais extensa do uso de benefícios públicos, e potencialmente negada a residência ou visto. A proposta também permitiria que alguns dos que estão enfrentando a rejeição do governo para um visto postassem bônus em dinheiro de US$ 10 mil ou mais, e os títulos teriam de ser fornecidos por meio de uma empresa aprovada pelo governo.

O imigrante perderia o dinheiro se começasse a usar a assistência pública e fosse considerado “public charge” nos Estados Unidos, durante o seu processo de legalização, de acordo com a proposta do governo Trump.

Termos

Compartilhe

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved