Calendários e convenções

Aproxima-se o final do ano de 2018, e consequentemente as festividades e avaliações de tudo que fizemos de positivo e negativo, durante o ano. Começarei a analisar o nosso calendário de comemoraçōes nos Estados Unidos com a festa de Halloween, que antecede nos países católicos aos dias de Todos os Santos e Finados, seguidos pela comemoração do Thanksgiving, momento de reunião com a família e amigos, para dar graças a Deus pelas bênçãos recebidas.

Como o estado americano é laico, ou seja, o país tem uma posição neutra no campo religioso, não apoiando ou discriminando nenhuma religião, todos os cidadãos podem, se quiserem, participar dessas comemorações. Minha preocupação recai sobre os imigrantes, que muitas vezes chegam sozinhos no país das oportunidades, com um enorme esforço para sobreviverem. Isolados de laços familiares e muitas vezes de amigos, como poderão escapar dessas convenções sem tristeza e ansiedade é a minha questão.

Usando o mecanismo da racionalização, até porque um dia fui imigrante nos EUA também, ajuda se pensarmos que no tempo pelo tempo não existe calendário. Pesquisas indicam que os humanos precisaram de um calendário para plantarem nas margens fertis do Rio Nilo, no Egito, para garantirem a sobrevivência. Primeiramente, inventaram um calendário lunar com 354 dias, para homenagear os deuses Horus, Seth, Iris, Osiris e Neftis. Esse calendário lunar, não os orientava devidamente com a lavoura. O curso de águas do Nilo era dividido em período de cheias/inundações, (Akhet), períodos de plantio (Peret) e o período da colheita (Shemu). Para criarem um calendário que os ajudassem mais precisamente, os antigos Egípcios observaram o céu, a lua e as estrelas. Foram os primeiros a utilizarem um calendário com 365 dias no ano e o chamaram de Calendário Civil.

O calendário Juliano foi criado pelo líder romano Julio Cesar no ano 46 antes de Cristo e era um calendário lunisolar. Foi reformulado no ano 45 a.c., tomando como base as estações do ano. Nessa época, ficou convencionado que o ano teria 365 dias divididos em 12 meses. Acrescentou-se também mais 1 dia de 4 em 4 anos, resultando no ano bissexto. Esse calendário é o mais utilizado em muitos países cristãos. Em 1502, o Papa Gregorio XIII substituiu o calendário Juliano pelo Gregoriano e oficialmente o calendário Gregoriano passou a vigorar no mundo inteiro, para facilitar a comunicação entre os países europeus.

Bom, voltando ao Segundo Parágrafo desse texto, onde falo de racionalização, quero explicar que toda essa história de Halloween, dia de Todos os Santos, Finados, dia de Ação de Graças, do Trabalho, das Mães, dos Namorados, dos Pais, das Crianças, São João, Natal e Ano Novo, são datas convencionadas e estabelecidas por nós, humanos. Os judeus e os russos não comemoram essas datas e as festas religiosas deles são em dias diferentes dos cristãos. O mesmo se da na cultura chinesa, que possui um calendário de comemorações de festas completamente diferente do que conhecemos.

Usando a racionalização, vamos então desconstruir as convenções que nos foram ensinadas desde a mais tenra infância e vamos reconstruir internamente o nosso calendário. Não temos necessidade de ficar tristes e ansiosos, por estarmos longe dos nossos queridos nessas datas de festas inventadas por nós humanos, e avalizada pelo comércio, para engrossar as vendas consumistas na compras dos tais presentes. Afinal, o AMOR que está no nosso pensamento e nas nossas atitudes por familiares e amigos, é independente de data para estarem presentes e trocarmos presentes. O amor que sentimos é o mais importante.

Os amados por cada um de nós estão conosco todos os dias do ano e pela nossa vida inteira. Acredito que até os que já passaram para outro plano astral estarão sempre por perto de nós, nos protegendo e enviando energias positivas nas nossas direções. Portanto, nenhuma tristeza, depressão, sentimento de culpa pela ausência ou ansiedade se faça presente nas nossas vidas por causa de nenhum calendário, criado por nós mesmos. Afinal, calendários são apenas convenções!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved