Aumenta expectativa de vida em Massachusetts

Marcony Almeida

longevity2

A expectativa de vida média dos residentes de Massachusetts subiu para 80 anos e 8 meses em 2016, um aumento na longevidade que vai contra as tendências nacionais, mostrando um declínio em quanto tempo os americanos devem viver.

Desde 2006, a expectativa de vida no estado permaneceu próxima dos 80 anos, atingindo 80 anos e 11 meses no seu máximo em 2012-2013, de acordo com o relatório Massachusetts Deaths 2016 divulgado, hoje, pelo Departamento de Saúde Pública (DPH). Em 2015, a expectativa de vida dos residentes era de 80 anos e 5 meses.

“Massachusetts tem trabalhado duro para ter uma cobertura de saúde quase universal que promova a saúde. E nós consistentemente classificamos como um dos estados mais saudáveis ​​do país. Este relatório mostra que trabalhando em conjunto, tanto em nível estadual como municipal, e com nossos parceiros de saúde, podemos melhorar a saúde e o bem-estar de todos os residentes do estado”, disse a secretária estadual de Saúde e Serviços Humanos, Marylou Sudders. “Como as pessoas vivem mais, devemos continuar a tomar medidas para posicionar a Commonwealth como um estado amigo do idoso, e é por isso que criamos o Conselho do Governador para Abordar o Envelhecimento. Reconhecemos que temos mais a fazer, especialmente para acabar com a crise de opioids que teve um impacto tão mortal em todo o estado”.

Em 2016, as mulheres hispânicas tiveram a maior expectativa de vida, vivendo, em média, aos 89 anos. As expectativas de vida das mulheres brancas não-hispânicas e das negras não-hispânicas também foram maiores do que a estimada para os residentes de Massachusetts em geral, 82 anos e 11 meses, e 83 anos e 7 meses, respectivamente.

No geral, houve 832 mortes a menos em Massachusetts em 2016 em comparação com 2015; a taxa de mortalidade ajustada por idade caiu de 684,6 mortes por 100 mil pessoas em 2015 para 668,9 mortes por 100 mil, em 2016. A taxa de mortalidade diminuiu para brancos não-hispânicos, asiáticos não-hispânicos e hispânicos; para os residentes negros não-hispânicos, a taxa de mortalidade aumentou.

O câncer foi a principal causa de morte para os residentes de Massachusetts em 2016, com o câncer de pulmão permanecendo como a principal causa de todas as mortes pela doença. A taxa de mortes por câncer foi maior para os residentes brancos não-hispânicos (154,3 por 100 mil) e menor para os hispânicos residentes (91,7 por 100 mil).

“Um foco importante para nós em saúde pública é fechar a lacuna nas disparidades de saúde – e este relatório anual desempenha um papel fundamental em nos ajudar a moldar nossos esforços de prevenção para que eles sejam direcionados onde eles são mais necessários para reduzir essas disparidades”, disse a Comissária de Saúde Pública, Monica Bharel, MD, MPH.

Outros destaques do relatório Massachusetts Deaths 2016 incluem:

– Em média, todos os dias em 2016, em Massachusetts, 156 pessoas morreram, incluindo 35 de câncer, 33 de doença cardíaca, 14 de doenças respiratórias, e 13 de ferimentos. Das 13 mortes por lesões, 7 mortes foram devidas a envenenamentos, que incluem overdoses de opiáceos/opioids.

– Em 2016, a taxa de mortalidade prematura (que inclui apenas mortes que ocorrem antes dos 75 anos) permaneceu mais alta para negros não-hispânicos (309,2 óbitos por 100 mil) do que para brancos não-hispânicos (288,6), hispânicos (251,9) e asiáticos não-hispânicos (122,1) residentes. No entanto, a expectativa de vida dos residentes negros não-hispânicos que viviam até os 75 anos era maior do que a dos residentes brancos não-hispânicos, o que sugere que os negros não hispânicos vivem mais acima de 75 anos.

– Entre os moradores de Massachusetts com idades entre 25 e 64 anos, a taxa de mortalidade para aqueles que concluíram o ensino médio ou menos foi mais de três vezes maior do que a taxa correspondente para aqueles que concluíram o ensino médio acima.

– A taxa de mortes por suicídio para residentes brancos não-hispânicos (10.0 por 100 mil) foi quase o dobro das taxas correspondentes para outros grupos (5.5 por 100 mil para negros não-hispânicos, 5.4 por 100 mil para asiáticos não-hispânicos e 5.0 por 100 mil para Hispânicos).

– Em 2016, a taxa de mortalidade infantil para residentes negros não-hispânicos (7,9 por 1.000 nascidos vivos) foi quase três vezes maior do que a taxa correspondente para residentes brancos não-hispânicos (2,7 por 1.000 nascidos vivos).

Enquanto a expectativa de vida geral em Massachusetts melhorou em 2016, a nível nacional, caiu no ano passado pela segunda vez em três anos, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), que informou que o declínio foi causado por mortes por overdose de drogas e suicídio.

De acordo com o relatório do CDC, espera-se que um bebê nascido nos EUA em 2017 viva cerca de 78 anos e 7 meses, em média; e 78 anos e 8 meses se nasceu em 2015 ou 2016.

Termos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

quatro − 1 =

P.O. Box 490543
Everett, MA 02149

Publicidade e Anúncio

© Copyright 2017 | Brazilian J. Magazine
All rights reserved