Amores e dores

Compartilhe:

Muitas mulheres mergulham de cabeça em relacionamentos amorosos sem levar em conta se a pessoa é mesmo boa para elas a longo prazo. Todos nós precisamos de alguém para amar, somos seres humanos sociais, precisamos de companhias sim, porém só devemos investir ou alimentar sentimentos que fortaleça nossas relações nos fazendo bem. Temos de superar o medo que existe por trás da acomodação ou do conformismo que nos impede de sonhar, de mudar, sobreviver e ser feliz.

As estatísticas indicam que os números de violência contra a mulher são cada vez mais evidentes em toda parte do mundo, oriunda dos companheiros, maridos ou namorados. Basta observar os casos absurdos que assistimos diariamente através da mídia. São escolhas apressadas, erradas, atraídas pelo o que é comum e não pelo que é raro.

Viver sozinha não é o fim do mundo. Cuidar de nós mesmas é divertido, excitante e gratificante, e nenhum preço é alto demais quando se paga pelo privilégio de ser dona do seu nariz. Não existe tédio para quem tem inspiração quando o mundo oferece uma estrada infinita de oportunidades. Muitas mulheres vivem relacionamentos opressivos, doentio, acreditando em uma mudança que jamais existirá pela esperteza das promessas dos covardes que se aproveitam de quem se nega ao seu amor próprio e desconhece que a vida tem um significado maior do que ter um homem, e que sempre existirão outras pessoas, esperando apenas uma oportunidade, basta se mexer e ver o mundo de forma diferente.

Ansiedade demasiadas paralisa, amedronta, porque deixa vulnerável para o primeiro que surge como o príncipe, quando no futuro possa se tornar  um sapo áspero, exalando de veneno. Existente um adágio que diz o seguinte: “tudo no começo é flores” e eu complemento: começa no jardim da ilusão e depois da aflição.

Infelizmente um grande número de mulheres ainda se permite chorar, e ficar deprimida quando seus relacionamentos fracassam, seja qual for o motivo. Do meu ponto de vista, isto foge totalmente ao mundo atual onde a mulher saiu da opressão machista de propriedade do homem.  Mulher é como maçã na árvore, as melhores estão sempre no topo e não são fáceis de alcançar. Portanto, espere homens inteligentes, o suficiente para escalar até o topo da árvore.

Um repórter perguntou ao bem sucedido executivo Ricardo Semler, autor do livro “Virando a própria Mesa”  o que ele mais admirava em uma mulher, ele respondeu: sua capacidade de se impor. Em tempos modernos onde o empoderamento feminio é tona da liberdade dos seus direitos, nada se justifica relacionamentos doentios, violentos e infernais.