Pensando em Nossos Dias

Compartilhe:

Se não agirmos, o pior virá

Se você esperava o pior da administração federal, oito meses após a posse, a emenda é bem pior do que o soneto, como se diz no Brasil. Direitos e verbas estão sendo dissipadas como poeira e eu tenho a impressão que da missa não sabemos nem metade. A história nos ensina que este não é o único momento negro da história dos Estados Unidos. Lembram do macartismo, nos anos 50, quando o senador McCarthy acusou milhares de pessoas de serem comunistas ou simpatizantes do comunismo? Muitas cometeram suicídio, outras emigraram, quantas perderam o emprego, casa, tiveram suas famílias destruídas?

Soa parecido com o que se passa hoje?

Lembram da luta pelos direitos civis? Do sofrimento dos negros, perseguidos, agredidos, mortos? Lembram dos japoneses colocados em campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial? Infelizmente, os exemplos são muitos, mas é importante lembrar que nenhuma dessas injustiças ficaram impunes. Vidas foram perdidas, é verdade, mas não foram em vão.

O que houve em Carlottesville, Virgínia, e a reação daquele que deveria liderar não têm justificativa. Por mais que se queira buscar uma explicação, a única plausível é ruindade. E ruindade a gente responde com amor, ou desprezo, ou ignora.

A marcha do sábado 19 de agosto que colocou mais de 40 mil pessoas nas ruas de Boston foi um grito de “Basta”. Basta de ódio, basta de violência, basta de discriminação e divisão, basta de racismo.

Nunca em toda a história da humanidade as comunidades foram tão diversas. Basta olhar ao redor para constatar que as famílias não são mais o tradicional modelo mamãe-papai-filhos mas mamãe-mamãe, papai-papai, com ou sem filhos e de todas as cores. Ninguém tem uma única etnicidade.

É bom a gente entender que o ódio é gerado pela incapacidade de alguém de aceitar a diferença e pela necessidade de controle. A supremacia branca é fruto de uma mentalidade estreita e medíocre de quem precisa mandar e ser obedecido sem competição ou confronto.

A marcha de Boston contra a supremacia branca foi exatamente uma resposta a esta tentativa de domínio autoritário. Com certeza, a mensagem ressoou, muitas outras marchas supremacistas from canceladas em todo o país depois de Boston sair às ruas pacificamente.

Temos, porém, de estar preparadas para novos eventos e temos de nos conscientizar que cabe a nós, sociedade civil, colocar um ponto final na ameaça supremacista. Nenhum governo vai fazer isso, muito menos o que ocupa a Casa Branca no momento.